sexta-feira, setembro 23, 2005

Fui e Vim

Fui e vim. Senti-me uma princesa o tempo todo. Livre,leve e solta a gozar os prazeres de ter uma tarde marcada pela futilidade na cidade mundial da moda. Agora é escrever tudo o que aprendi lá.
Um dia disseram pro poeta nordestino Zé da Luz, cabra macho do começo do século passado, que pra falar de amor tinha que usar o português correto. Aí ele fez uma poesia que diz assim:

Ai, se sêsse!

Se um dia nós se gostasse;

Se um dia nós se queresse;

Se nós dois se impariásse,

Se juntinho nós dois vivesse!

Se juntinho nós dois morasse

Se juntinho nós dois drumisse;

Se juntinho nós dois morresse!

Se pro céu nós assubisse?

Mas porém,

se acontecesse qui São Pêdo não abrisse as portas do céu e fosse,

te dizê quarqué toulíce?

E se eu me arriminasse e se tu insistisse,

prá qui eu me arresorvesse e a minha faca puxasse,

e o buxo do céu furasse?

Tarvez qui nós dois ficasse

tarvez qui nós dois caísse

e o céu furado arriasse e as virge tôdas fugisse!

www.desconversando.blogger.com.br

4 Comments:

Blogger Scratchy said...

Tou a imaginar assim um velhote a declamar esse poema... :) Fazem-me lembrar os tempos na terra da minha avó em que acontecem coisas dessas frequentemente... :)

Correu bem a viagem? e a mulher do figo sempre veio? :) Tá tudo bem?

2:05 da tarde  
Blogger Mary Mary said...

Então esse avião? Foi muito mau?
Adoraste Milão e ainda bem!! :)
O poema é fantástico!
Se um dia nós o mundo mudasse!

2:38 da tarde  
Blogger Miss Xangai said...

Gosta dessa mas ainda gosta mais de "Se nós dois se impariásse". É mesmo assim como o scratchy imagina. Um velho no meio do sertão brasileiro a declamar...

A viagem correu muito bem,conheci pessoas muito interessantes, aprendi muito sobre o novo edifício do World Trade Center e fiz imensos contactos, que para o meu trabalho é fundamental. Tudo envolto no sistema "vamos tratar-te tão bem que só podes escrever bem de nós no artigo" fez-me sentir uma princesa: motorista privado, hotel 5*,ofertas várias...valeu bem a pena. e ainda com uma tarde livre.
Não vi a mulher do Figo (que eu acho linda)mas vi muita mulher plastificada a tirar fotos às montras do Valentino, Gucci, D&G,...

E quanto ao avião foi fixe: para lá fui a dormir, para cá vim à conversa com um amigo que encontrei por acaso em Milano.

4:42 da tarde  
Blogger MPR said...

O poema é girissimo... Mas fizeste batota no avião de volta! Aranjaste um braço para cravar aas mãos! :)

4:25 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home