domingo, julho 31, 2005

queda de costas,vamos descer

Quando este curso começou há 25 dias atrás foi-nos dado um manual cuja página inicial descrevia a nossa entrada no mundo aquático num gesto tão simplório que foi com alguma resistência que o terminei de ler. Algo como 'Você vai entrar num universo paralelo, venha daí,aproveite essa maravilha e nunca mais será o mesmo".

Hoje foi a última aula. A passar aflorações rochosas e a deitarmo-nos nesse 'sea bed' de costas para a areia e a olhar para 16 metros acima de nós. Entre polvos e cavalos marinhos, e com raios de luz a atravessar o mar até lá abaixo iluminando os outros mergulhadores que flutuavam a várias cotas. E com todas as regras que tinhamos aprendido, eu e mais quatro amigos, desenvolvemos uma linguagem sub-aquática própria.

Agora fecho os olhos e ainda lá estou. Até me custa a escrever este texto de tão mareada, e porque na ilusão o meu corpo ainda me diz que hoje o meu ambiente não é esta sala.Falta-me o respirador,o colete, o octopus, a garrafa, os meus amigos, a pressão para equalizar e todo aquele cenário.

Pronto é melhor parar.Se continuar por aqui fora ainda acabo a escrever um texto como o do manual...

(Ver conversa "Ora nem mais" de 2 de Julho)

sexta-feira, julho 29, 2005

...

Don't wake me up before the weekend comes...
Esta música lembrou-me que são principalmente os Setembros que nos formam o carácter
here comes the rain again
falling from the stars
drenched in my pain again
becoming who we are

quinta-feira, julho 28, 2005

Lá em baixo

Hoje foi um dia que começou mal, mas mesmo muito mal.
E depois foi piorando em forma de neura.Daquelas que latejam a cabeça.
Das que me fazem ser ainda mais distraída do que o normal.
Na bomba pré-pagamento, paguei e vim-me embora.Sem gasolina.
Por isso fui para debaixo de água, e tudo melhorou.
Um jantarzinho cosy.
Um livro.
E amanhã Deus há de providenciar.

terça-feira, julho 26, 2005

O fim de um ciclo

Se a minha vida fosse uma série, ontem à noite tinha terminado o episódio intitulado 'Feist- ou a arte de ouvir um cd até à exaustão'.
Depois de mais uma aventura na busca de um bilhete num concerto esgotado há 5 meses (ver a conversa «Paia da Semana» de 30 de Junho) assisti ao concerto da canadiana Leslie Feist.
O som estava pior que mau.
Dito isto, aquela senhora é tudo:presença,voz e instrumento. Embora num estado embrionário salta à vista que dali nascerá algo...
A verdade é que aquele concerto foi tão intímo que em vez de ter sido no Forum Lisboa, podia bem ter sido no atelier onde trabalho e onde, desde há 1 mês, pomos diariamente o cd. Qual timoneiro a marcar passo no Archicad. Não temos muito espaço, é certo, mas ela também é magrinha e para o concerto só levou a guitarra, por isso até cabia em cima da plotter.
Para se ter noção de como Leslie estava à vontade, a certa altura pôs todo o auditório a cantar o 'Malhão,Malhão', para o gravador de chamadas da namorada canadiana do irmão cujo nome do meio é Lisboa...go figure!
Por isso, meus amigos, é o fim.Só devo voltar a ouvi-la daqui a um ano, para voltar a saber bem outra vez. Ou melhor, para voltar a saber tão bem outra vez.

segunda-feira, julho 25, 2005

Estou viciada

Twister

Foi tão ao acaso que nunca imaginei o sucesso que teria.
A Sarinha fez ontem 7 anos e eu, como prima babada e em louvor da paixão que lhe tenho, comprei-lhe uma prenda. A verdade é que só tinha uma hora para me decidir e ,depois de uma noite tão longa como a de sexta, não me sobravam muitas premissas que limitassem a escolha.
Por isso comprei-lhe o Twister, porque achei engraçado a possibilidade de ela poder praticar a lateralidade, o equilíbrio e a resistência...e ainda dar umas gargalhadas com as amigas.
A tarde de Domingo, para grande espanto meu, foi toda passada à volta do tapete às bolinhas. E foi aí que me redimi de ter subestimado o potencial deste jogo. Eu fui sempre o 'árbitro', ou seja, o que diz «Joana,põe o pé direito na bola amarela», «Miguel,põe a mão esquerda na vermelha e a única disponível é a debaixo da Maria»....and so on. Mas não fosse a injustiça de competir com pessoas com metade da minha altura e tinha mesmo jogado. Era muita a vontade.
Ainda mais me espantei hoje quando descobri a imensa variedade do Twister: capas de edredon, Twister para ser jogado com o teclado do computador, insuflaveis...e várias versões over rated
Estou numa de ir buscar um para mim. Alguém alinha?

sexta-feira, julho 22, 2005

1995

Ao acaso depois de um teatro bestial, fui ter a um concerto do Pedro Abrunhosa no Casino Estoril...
E com aquelas músicas,num abrir e fechar de olhos, já estava na Figueira da Foz, com 14 anos e umas amigas na praia...
Com um vestido às flores que não lembra o diabo e uns "all star" bota que ai jesus!
Mais a moda das argolas grandes, das calças subidas à aladino ou das camisolas enroladas à cintura...por amor de Deus. Como é que ninguém me agarrou?
É a isto que a música do Abrunhosa me transporta...

quarta-feira, julho 20, 2005

Quarta-Feira

Hoje vou tratar da casa. Há já algum tempo que ando a adiar repor os quadros que caíram,ir ver cadeiras,arrumar os livros lidos de volta na estante e acarinhar o meu espaço. É altamente catártico.
Esta foto foi tirada na roulotte que os meus pais tinham quando eu era pequenina. Foi por ela que fui para arquitectura. Adorava ver como se transformava e tornava uma área pequena em dois quartos,duas salas, uma sala só...Até hoje tenho um verdadeiro fascínio por habitações mínimas: cabines de comboio,de submarinos, quartos cápsula japoneses.
Por causa desta foto lembrei-me como o nosso espaço faz parte do nosso corpo.E por isso tem de ser tratado na intimidade, a cantar baixinho, descalça e de cabelo apanhado.
Hoje é quarta-feira. Dia de reflexão espacial.

terça-feira, julho 19, 2005

Verdades Absolutas

A propósito de um post que vi nessa delícia de blog que é o www.cabelosaovento.blogspot.com , lembrei-me de um conjunto de verdades que quando era pequena assumia como inequivocamente certas.
Género:
- que o fiambre vinha da língua dos cães
- que o estrangeiro era um país
- que se dizia Vila Franca da China porque era muito longe de Lisboa
-que os vesgos tinham ficado assim porque, a brincar, tinham demorado mto tempo a pôr os olhos para dentro
-que o pato era o animal mais perigoso do mundo
E a da minha maninha Maria
- que um homem epilético (epilétrico) era um homem que tinha 3 pilas (perdoem-me)
Quem dá mais?

segunda-feira, julho 18, 2005

Pérola Humorística de Paulo Relógio

Em plena feira medieval de Óbidos:
- Vera,quando fizeres 26 anos achas que podes passar do quarto de século para a sala?
...

domingo, julho 17, 2005

Porque será?

Hoje estava a observar o jogo linguísticó-mímico dos meus avós, que já estão casados há mais de 50 anos, e comecei a pensar porque tal sociedade vingou. E cheguei à conclusão que foi por um acumular de questões:
- a minha avó é baixinha,o meu avô é alto
-a minha avó é eléctrica, o meu avô calmeirão
-a minha avó tem um estômago fraquinho, o meu avô trabalha a pimentos
-a minha avó não dorme a sesta, o meu avô dorme a dele e a dela
-a minha avó tem os pés pequeninos e está sempre a cair,o meu avô não
-a minha avó é friorenta,o meu avô tem umas mãos sobrenaturais que irradiam calor
-a minha avó vai para a praia de fevereiro a setembro, o meu avô nem molha os pés
-quando o meu avô se esquece de tomar o comprimido,a minha avó toma por ele
Parece-me que são razões fundamentais óbvias que fundamentam a longividade desta relação
ha, e gostam muito um do outro....

sexta-feira, julho 15, 2005

Primárias

Na noite em que soubemos que mais uma de nós vai para fora, decidimos tirar esta foto especialmente para ti, Ritinha, que do outro lado do mundo abraças cangurus.
E falamos de nós, da nossa infância e dessa habilidade própria que todas temos para nos interrompermos.
De como a Viana fica sempre com os olhos fechados nas fotos e do seu love, de como a Inês gosta do CLB que até lhe lateja a cabeça, daquela noite do Jamaica (humhum), do espanto que estava a Joana no baile e da tua vida aí,de massa muscular...mais isto e mais aquilo...
-A vida é mesmo feita do toque e do longe-

quinta-feira, julho 14, 2005

Secaaaaaa

Hoje é daqueles dias que o trabalho é uma seca. Vou ter que ir ao fim do mundo com um fotógrafo arranjar imagens de pedras!Não há quem aguente...
Para relaxar e me mentalizar que tenho mesmo que ir,ando a ler os mails antigos que se estavam a acumular na caixa do correio.
E é então que descubro esta maravilha vinda do meu pessoal brasileiro do coração.
Beijão galera. Tenho muitas saudades vossas. O que vale é que a Thaís e o Emerson estão quase a chegar....
Leiam com atenção e acreditem que o vosso cérebro consegue descodificar
4S V3235 3U 4C0RD0 M310 M473M471C0. D31X0 70D4 4 4857R4Ç40 N47UR4L D3 L4D0 3 M3 P0NH0 4 P3N54R 3M NUM3R05, C0M0 53 F0553 UM4 P35504 R4C10N4L. 540 5373 D1550, N0V3 D4QU1L0... QU1N23 PR45 0NZ3... 7R323N705 6R4M45 D3 PR35UNT0... M45 L060 C410 N4 R34L 3 C0M3Ç0 4 F423R V3R505 H1NDU-4R481C05

Hummmmmm

Hummmmm,obrigada por mais um jantar cosy. Uma vida só não chega.

Portugal no seu melhor

terça-feira, julho 12, 2005

Teste de QI

Tenho confessar que este inquérito foi um verdadeiro sucesso de audiências, com 19 pessoas a darem-se ao trabalho de responder. Estou emocionada, e muito agradeço ao meu gigantesco auditório. Eu não mereço...
Feita a pergunta, tirada de um teste de QI, que pedia a conclusão lógica à questão:
"Há 30 anos levava um trabalhador 5 horas para fazer uma cadeira, e hoje leva 30 minutos"
35% responderam que - "O Homem está mais industrializado"
15% responderam que - "As cadeiras têm um ciclo de vida curto"
45% responderam que -"A produtividade aumentou"
5% responderam que -"Os trabalhadores têm mais tempo livre"
A resposta é: " A produtividade aumentou". As outras quatro justificações são baseadas em assumpções que não estão obrigatoriamente presentes na questão inicial. Por exemplo,nós sabemos que o Homem está hoje mais industrializado,mas a diminuição do tempo de trabalho de cada cadeira não advém necessariamente disso.
Conclusão: Tal como suspeitava os "dizconversadores" são de QI elevado!
Continuo muito emocionada com a vossa participação em massa...
(agora pensando melhor se calhar é só do calor...)

segunda-feira, julho 11, 2005

Com fds destes...

Na sexta um bairrinho, no sábado um Guincho em boa companhia...
E depois de um grande concerto de 'Chemical Brothers' -e uma noite em que o Quinto estava um Sexto e a Joaninha vibrava ao mesmo tempo que comia algodão doce (...)- nada melhor que passar domingo à tarde a matar conversa,tirar fotos e ir a banhos.
E depois, matar conversa,tirar fotos e ir a marisco pela noite dentro!
Os domingos deviam ser todos assim...

quinta-feira, julho 07, 2005

De um comentador para o mundo

foto de Luís Rocha
"ONDE É TUDO COMEÇOU A CORRER MAL?
No momento em que escrevo o mundo vive mais um dia de terror. Um daqueles que nos temos habituado a assistir desde Setembro de 2001. Vemos. Assistimos. Não queremos acreditar. Pensamos. Mudos ou não. Recomeçamos por fim o que estávamos a fazer quando fomos sacudidos, ou apenas relembrados mais uma vez, pela violência aleatória que fez com que este dia houvesse de ser diferente da maioria dos outros.
Na verdade, este dia passa lento sob o signo do sangue e da dor de quem hoje de manhã se dirigia pacatamente e de forma anónima para o seu trabalho em Londres. A dor desses e de todos aqueles que lhes eram familiares ou apenas próximos. Bem, contas feitas a dor de todos nós, aqueles que ainda acreditamos que há esperança para o mundo ocidental (e porque não um dia mesmo planetário?) de sociedade livres e justas onde as divergências se podem resolver sem ser à bomba...
Onde é que tudo começou a correr mal? Não sei exactamente se foi no momento em que os Isrealitas mal avisados começaram a desembarcar em número de milhões em terra de pastores muçulmanos ignorados. Não sei exactamente se foi por esta cultura do último século (ou antes do início dos séculos?) em que os países mais poderosos continuamente desrespeitam, oprimem e roubam os países mais pobres na certeza - provavelmente por estes dias abalada - de que o podem fazer impunemente, sem que nada ou ninguém se atravesse no seu caminho. Não sei exactamente se foi pela falta de qualidade e mesmo de escrúpulos nos governantes que temos desde as juntas de freguesia corruptas até às superpotências que precipitaram um guerra desnecessária com um país árabe. Não sei na verdade qual o momento nem qual o motivo ou mistura de motivos que fez com que a semente do mal que agora se apresenta ao mundo, germinasse. MAs ela está lá...e cresce.
Meus caros, o nosso mundo, ao invés dos anos oitenta em que muitos de nós crescemos, parece nestes dias correr para a violência e para a intolerância. E isso é de preocupar até porque hoje temos acesso a átomos onde antes estavam lanças e flechas...Nem tudo é mau. Resta-nos a possibilidade de tentarmos obstinadamente sermos felizes em cada segundo que passa. E resta-nos a possibilidade de sermos solidários e de ajudarmos o próximo a levantar-se e realizar-se. Aí está o segredo. A nossa única saída colectiva e individual. A nossa, quero acreditar, vocação.
Sic Gloria Transit Mundi (Assim vão as glórias do mundo). "

quarta-feira, julho 06, 2005

Para B

O amor é uma companhia (ler no género masculino)
O amor é uma companhia.
Já não sei andar só pelos caminhos,
Porque já não posso andar só.
Um pensamento visível faz-me andar mais depressa
E ver menos, e ao mesmo tempo gostar bem de ir vendo tudo.
Mesmo a ausência dela é uma coisa que está comigo.
E eu gosto tanto dela que não sei como a desejar.
Se a não vejo, imagino-a e sou forte como as árvores altas.
Mas se a vejo, não sei o que é feito do que sinto na ausência dela.
Todo eu sou qualquer força que me abandona.
Alberto Caeiro

segunda-feira, julho 04, 2005

Parabéns

*Parabéns*
E pensar que esta foto já tem 5 anos!Grande viagem, éramos jovens e tal...
Pelas gargalhadas diárias e por todos os "abraços com prazer" ao longo da vida vai esta humilde homenagem - com a ajudinha do Mies,claro!-
(Ah e como não foste ao atelier hoje, e sei que vais ficar devastado quando souberes, vou aproveitar e dizer de mansinho que não ganhámos o euromilhões)
Muitos beijinhos,
saúde e paz que o resto vem atrás!
*Parabéns*

domingo, julho 03, 2005

Sin City

"Sin city", o único lugar no mundo onde o sangue é branco e as lágrimas prata. Embora não seja constante, Robert Rodriguez brinca com o imaginário da dor e de um mundo pecaminoso paralelo, em que as mulheres saem a ganhar. Finalmente!
É o lugar dos duros, dos corruptos e dos corações despedaçados, com uma nítida ajudinha da violência moderna à la Tarantino. E nada escapa, nem igreja, nem prostitutas com vida própria.
Lindo lindo é ver a interpretação de Mickey Rourke - Marv- mais feio que nunca!
O que se calhar é mais estranho no projecto todo, é não parecer cinema. Parece a transcrição em movimento do que se passa na BD, quer na fotografia, quer no argumento, quer na montagem, quer obviamente, nos enquadramentos. Às vezes parece que falta apropriação de espaço, a câmara a explorar mais o cenário. Mas é uma opção de estilo.
Eu gostei.

História incompleta

Tenho tantos inícios de histórias. Ora vai cá um.
“Mais do que em qualquer outro momento da sua vida, ali era tudo mais valorizado. Se comia era porque tinha fome, se respirava era porque tinha corpo. E pensava na fome, e depois pensava no gozo que seria saltar daquele 3º andar sem paredes, nem tecto. Então, para não cair em tentação, deitou-se, olhou para cima e deu-lhe a mão com força. Disse-lhe baixinho que não se tinha esquecido do prometido e que só precisava que passassem uma noite assim, antes de partirem. Mais valia aproveitarem o tempo que o tempo se aproveitar deles.”
O que é que pode acontecer a seguir?

sábado, julho 02, 2005

Ora nem mais

Estes dois dias tive que parar e ficar presa a pensamentos que andava a evitar. Por isso, entre canja de galinha e muito cházinho, obriguei-me a aturar-me e a arrumar a alma.
Sinto que ando a fugir do tempo e que, de modo a evitar que encha de novo a minha caixa de questões por reflectir, tenho que me disciplinar. Tenho que ouvir essa voz que me diz "ainda não é desta florzinha".E passar a respirar mais entre dois livros e borboletas na barriga.
Por isso ou passo a viver debaixo de água ou admito que sou igual a qualquer mulher da minha idade.
Assim decidi começar um curso de mergulho já na próxima terça-feira.
Ora nem mais.